O sistema brasileiro de cartões teve início no final dos anos 1960, com grande popularização e expansão nos anos 1990. A quantidade de cartões de crédito e débito até 2016 cresceu mais de 180% no período, chegando aproximadamente a 150 milhões cartões de crédito (56% ativos) e 111 milhões de débito (31% ativos).

O pagamento em cartão hoje é uma das principais formas de pagamento usadas no mercado e é atualmente um dos meios mais seguros, tanto para clientes quanto para os estabelecimentos.

As taxas já fazem parte da vida de todo empreendedor. Estando acostumados a pagar altas taxas, muitas vezes sem saber de onde vêm e para onde vão. Por isso estamos aqui, para te explicar tudo sobre a famosa taxa MDR.

A taxa MDR (sigla em inglês para Merchant Discount Rate) ou conhecida como “Taxa de Desconto do Lojista”, trata-se de uma taxa percentual, cobrada pela processadora de cartão sobre os lojistas, em cada transação realizada na máquina de cartão, seja ela de débito ou crédito.

E como esse processo acontece?

Para uma uma operação de pagamento por cartão acontecer são necessários três atuantes.

  1. O banco: é quem oferece o cartão ao consumidor. É ele quem aprova ou nega uma transação. Outra forma de se referir ao banco nesse processo é como emissor.
  2. A bandeira do cartão: é quem intermedia todas as partes do pagamento, o banco emissor, o cartão do consumidor e a maquininha do estabelecimento comercial. O custo cobrado por essa parte é fixo, independente do valor transacionado.
  3. O adquirente: É responsável por captar, processar e efetuar o pagamento das transações que o empreendedor faz. É muito mais comum se referir ao adquirente como “maquininha”, mas você também pode ver por aí o termo credenciadora para essa parte do pagamento.

Vamos exemplificar: Digamos que o consumidor faça uma compra de R$ 100 em sua loja, usando um cartão de crédito. O banco emissor do seu cliente transfere R$ 100 ao seu adquirente, que, por sua vez, transfere a você o valor que deve receber, com uma taxa descontada. O sistema de pagamento ou bandeira cobra suas taxas diretamente de seus clientes e o adquirente paga a taxa de intercâmbio da transação ao banco emissor.

Se o MDR for 5% do valor da transação, significa que o empreendedor deve pagar ao banco emissor R$ 5 por uma transação cujo valor foi R$ 100. Então, nesse exemplo que demos, você receberia R$95 pela venda realizada. Isso, caso seja a MDR seja a única taxa cobrada pela sua maquininha de cartão.

A taxa MDR serve para pagar todos estes atuantes, cada qual com sua porcentagem.

E quanto cada um desses atuantes ganha?

A porcentagem maior vai para o bancos. São eles que intercambiam o dinheiro e estipulam as taxas. Logo em seguida, vem a bandeira, que faz essa interconexão entre a maquininha e o banco. Por último, vem a sua maquininha que faz a transação, que pode aumentar ainda mais as taxas no processo de pagamento.

A MDR, ao remunerar todos nessa cadeira, é direcionada para cobrir os custos das operações que cada parte desembolsa para fazer a venda acontecer.

Como a taxa MDR influencia na sua empresa?

No Brasil, as taxas MDR são uma das mais altas do mundo, com taxas que podem chegar em até 3% no débito e 5% no crédito. Boa parte disso é porque as empresas que participam desse esquema dependem de uma estrutura extremamente cara para funcionar. Em sua maioria, é um modelo que conta com muitos funcionários, sistemas complexos e grandes verbas para manter tudo de pé. Além de tudo, tais empresas visam seu próprio lucro. Mas, ao aumentarem as margens cobradas para pagarem estruturas gigantes e, ainda assim, lucrarem, quem sente mais é você e o seu negócio. Quando prestadoras aumentam de forma abusiva as taxas, o empreendedor geralmente se sente preso a duas alternativas:

  1. Repassar os valores altos das taxas para seus clientes, o que gera uma cadeia de aumento de preços, que impacta diretamente nos valores de seus produtos e serviços. Isso pode tornar seu negócio menos competitivo no atual mercado tão saturado de opções para os consumidores.
  2. Absorver os valores altos das taxas, diminuindo significativamente o lucro que poderia ter em seu negócio.

Além da taxa MDR, no modelo praticado aqui no Brasil, é comum você pagar para antecipar as parcelas a receber por vendas feitas no crédito. Inclusive, o lucro da maioria dos adquirentes vem dessa taxa. Nós também descomplicamos a taxa de antecipação.

Por isso, escolher uma maquininha de cartão que pratica taxas menores é sempre uma vantagem, pois qualquer percentual reduzido nesse custo é lucro certo para o seu negócio.

As taxas da InfinitePay, por exemplo, são até 80% menores do que as praticadas no mercado. Isso se deve a dois importantes fatores. O principal deles é que acreditamos que uma mudança na forma de realizarmos pagamentos no Brasil é necessária e urgente. O empreendedor deve ser dono do seu próprio lucro. Simples assim.

Além disso, temos um custo operacional muito menor do que as demais operadoras. O custo da InfinitePay para fazer uma transação acontecer é em média 35 vezes menor. E isso só é possível por conta dos nosso foco em tecnologia e inovação. Nossos sistemas são mais ágeis e seguros, precisando de menos recursos para se sustentar.

O resultado disso? Taxas mais justas para o seu negócio, sem asteriscos ou promoções. Você pode comparar em nosso simulador quanto pode economizar com a InfinitePay.