selic

Aprenda sobre a taxa Selic e sua importância. Descubra como as flutuações da Selic podem afetar seus investimentos e a economia.

Seu negócio

Decidir entre abrir uma conta corrente ou uma poupança é uma das primeiras escolhas financeiras que muitas pessoas enfrentam. Ambas as contas oferecem características distintas que podem beneficiar diferentes objetivos financeiros.

A conta corrente é como a sua gaveta de uso diário, ideal para movimentações frequentes. Já a poupança é como o seu cofre, para guardar e fazer render o seu dinheiro a longo prazo. Mas e se a conta corrente pudesse fazer o papel dos dois? 

Para pequenos empresários e pessoas sem CNPJ, escolher a conta certa pode ser confuso. Mas fique tranquilo, esse artigo vai te explicar as diferenças entre conta corrente e poupança, e te ajudar a decidir qual é a melhor para você.

Principais diferenças entre conta corrente e poupança

É fundamental entender as principais diferenças entre essas duas opções de conta. 

A conta corrente é, em geral, destinada ao dia-a-dia financeiro, como recebimento de pagamentos, emissão de boletos e pagamento de contas. É uma ferramenta essencial para a gestão financeira de qualquer negócio ou para indivíduos que movimentam seu dinheiro frequentemente.

Por outro lado, a conta poupança é tradicionalmente vista como uma forma de guardar dinheiro. Não é ideal para transações diárias, pois seu foco é a acumulação de recursos. A poupança oferece rendimentos segundo a taxa referencial (TR), mais juros, que ajudam a incrementar o saldo ao longo do tempo. Contudo, os rendimentos são baixos quando comparados a outras formas de investimento mais robustas. E o rendimento acontece a cada 30 dias - ou seja, se você tirar o dinheiro antes do prazo, não vai realizar lucro.

Veja mais em Tipos de Conta Bancária

O que saber antes de abrir uma conta corrente ou poupança?

Antes de abrir uma conta corrente ou poupança, é importante considerar alguns fatores essenciais para garantir que você faça a escolha certa para suas necessidades financeiras. Aqui estão algumas coisas que você deve saber:

Propósito da conta

Decida se você precisa da conta para gerenciar o dia-a-dia financeiro, como é o caso de uma conta corrente, ou se o objetivo é economizar dinheiro, que é mais alinhado com a função de uma conta poupança.

Custos associados

Contas correntes frequentemente têm taxas de manutenção e custos por operações extras, como transferências e saques. Já a conta poupança normalmente não possui taxas de manutenção, mas pode ter limitações quanto ao número de saques gratuitos por mês.

Rendimento

A conta poupança oferece rendimentos automáticos, calculados pela taxa referencial mais juros, que podem variar. É importante comparar esse rendimento com outras opções de investimento. Para contas correntes, o foco não é o rendimento, mas a praticidade e os serviços oferecidos.

Acesso aos fundos

Verifique a facilidade de acesso ao seu dinheiro. Enquanto a conta corrente oferece muita flexibilidade com cartões de débito e cheques, a poupança pode ter restrições de saque para garantir o rendimento.

Segurança e garantias

Assegure-se de que a instituição financeira é segura e que suas contas são garantidas pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC), o que proporciona uma camada extra de segurança para seus depósitos.

Serviços adicionais

Algumas contas correntes oferecem benefícios adicionais como programas de pontos, descontos em parceiros e até seguros. Avalie se esses serviços adicionais são relevantes para você.

Limites de depósito e retirada

Entenda os limites de depósito e retirada para cada tipo de conta. Isso pode ser importante para o planejamento de gastos e investimentos.

Facilidade de abertura

Considere o processo de abertura da conta. Muitas instituições agora permitem que você abra uma conta totalmente online, o que pode ser mais

conveniente se você tiver uma rotina corrida. Verifique também se há necessidade de manter um saldo mínimo na conta.

Atendimento ao cliente

Avalie a qualidade do serviço ao cliente oferecido pelo banco ou instituição financeira. Ter acesso a suporte rápido e eficiente pode fazer uma grande diferença, especialmente em situações de emergência.

Análise de reputação

Pesquise a reputação da instituição financeira. Ler avaliações e comentários de outros clientes pode oferecer insights sobre a confiabilidade e a qualidade dos serviços prestados.

Tomar uma decisão informada sobre qual tipo de conta abrir requer uma análise cuidadosa das suas necessidades financeiras atuais e futuras. Não hesite em comparar diferentes ofertas e buscar aconselhamento financeiro se necessário. Uma escolha bem pensada pode ajudar a maximizar seus recursos financeiros e evitar inconvenientes no futuro.

Leia mais: Melhor conta digital para empreendedores: como escolher

Como saber se a conta é corrente ou poupança

Identificar se a sua conta é corrente ou poupança é bem simples! Veja algumas maneiras:

1. Pelo número da conta

  • Conta corrente: 

O número da conta corrente começa com os dígitos "001".

  • Conta poupança: 

O número da conta poupança começa com os dígitos "013".

2. Pelo extrato

  • Conta corrente:

No extrato da conta corrente, você encontrará informações sobre todas as movimentações da sua conta, como depósitos, saques, transferências e pagamentos.

  • Conta poupança: 

No extrato da conta poupança, você verá apenas as informações sobre depósitos, saques e transferências.

3. Pelo aplicativo do banco

Na maioria dos aplicativos de banco, você pode consultar o tipo da sua conta na tela inicial ou em uma aba específica.

4. Pelo cartão da conta

Alguns bancos informam o tipo da conta no cartão. Geralmente, essa informação fica no verso do cartão, próximo ao número da conta.

5. Entrando em contato com o banco

Se você ainda tiver dúvidas, entre em contato com o seu banco pelo telefone, chat ou presencialmente.

O que rende mais a poupança ou conta corrente?

Entre conta corrente e poupança, a poupança geralmente rende mais, uma vez que a conta corrente não é projetada para render juros sobre o dinheiro depositado. Porém quando falamos de uma conta com rendimento diário como a conta digital da InfinitePay que rende 100% do CDI automaticamente direto do saldo da conta, então a conta corrente tende a oferecer um rendimento maior. Aqui está uma explicação mais detalhada:

Rendimento da Poupança

O rendimento da poupança é fixado em 70% da taxa Selic quando esta está igual ou inferior a 8,5% ao ano, mais a Taxa Referencial (TR), que atualmente é muito próxima de zero. Se a Selic estiver acima de 8,5%, a poupança rende fixamente 0,5% ao mês mais a TR.

Conta Corrente com 100% do CDI

O CDI (Certificado de Depósito Interbancário) geralmente acompanha de perto a taxa Selic. Portanto, uma conta corrente que rende 100% do CDI praticamente reflete a taxa Selic do período. Se a taxa Selic estiver acima de 8,5% ao ano, por exemplo, a conta corrente renderia mais do que a poupança, considerando que a poupança estaria rendendo 0,5% ao mês mais a TR.

Conheça o InfiniteStreaming: a conta que faz seu dinheiro crescer

Comparação de rendimentos CDI vs poupança 

Para dar um exemplo concreto, com a Selic em 12,75% ao ano (cenário hipotético), a poupança renderia cerca de 0,5% ao mês (já que a Selic está acima de 8,5%), enquanto uma conta que rende 100% do CDI proporcionaria um retorno de aproximadamente 1,05% ao mês, assumindo que o CDI esteja alinhado com a Selic. Isso demonstra que a conta corrente ofereceria um rendimento significativamente maior.

Assim, a conta corrente que oferece 100% do CDI geralmente será mais vantajosa em termos de rendimento quando comparada à poupança, especialmente em um cenário de taxas de juros mais elevadas. É importante notar, contudo, que tais contas podem ter custos associados, como incidência de Imposto de Renda, ou exigir um saldo mínimo, fatores que também devem ser considerados ao fazer essa escolha.

Veja mais em CDI ou Poupança: Onde investir?

Mas o que é o CDI? 

Você já deve ter se perguntado sobre o que é CDI, ne? O CDI é um indicador que acompanha a rentabilidade de investimentos de renda fixa no Brasil. É considerado um dos benchmarks mais seguros do mercado, e na InfinitePay você garante que todo o rendimento do CDI vá para o seu bolso.

Leia mais Qual conta digital rende mais?

Qual é a conta corrente que tem rendimento?

Na Conta Rendeira da InfinitePay, seu saldo rende 100% do CDI em tempo real, a partir do 31º dia. Isso significa que você começa a lucrar a cada segundo que seu dinheiro fica na conta! Crie sua Conta Rendeira hoje mesmo e comece a fazer seu dinheiro trabalhar para você!

Confira outros diferenciais da Conta Rendeira da InfinitePay:

  • Conta gratuita para CPF e CNPJ: 

A conta da InfinitePay é acessível tanto para pessoas físicas quanto para empresas, sem custo de abertura ou manutenção e com Pix ilimitado sem taxas.

  • Funcionalidades adicionais para negócios: 

Além do rendimento, a conta permite que o usuário transforme seu celular em uma maquininha de cartão, venda à distância com link de pagamento, e receba pagamentos de vendas em até 12x com taxas competitivas. O dinheiro das vendas também começa a render em tempo real após 30 dias, maximizando ainda mais os ganhos.

Finanças

A taxa Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira. É definida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil e serve como referência para as demais taxas de juros do mercado, como as taxas de juros dos empréstimos, financiamentos e aplicações financeiras.

A taxa Selic é importante para a economia porque influencia o nível de atividade econômica, a inflação e a taxa de câmbio. Quando a taxa Selic está alta, os juros dos empréstimos e financiamentos também ficam altos, o que dificulta o acesso ao crédito e desacelera a atividade econômica. Por outro lado, quando a taxa Selic está baixa, os juros dos empréstimos e financiamentos também ficam baixos, o que estimula o crédito e o consumo, contribuindo para o crescimento econômico.

Como funciona a taxa Selic

A taxa Selic é definida pelo Copom, que se reúne a cada 45 dias para analisar a conjuntura econômica e decidir se a taxa deve subir, cair ou permanecer inalterada. A decisão do Copom é baseada em uma série de fatores, como a inflação, o crescimento econômico e o nível de atividade econômica.

A taxa Selic é calculada com base no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic), que é um sistema administrado pelo Banco Central do Brasil. O Selic é um sistema de negociação de títulos públicos federais, que são papéis emitidos pelo governo para financiar suas atividades.

Leia mais: Bê-a-bá da Taxa Selic: como ela pode afetar o meu negócio?

O que acontece quando a taxa Selic cai

Quando a taxa Selic cai, os juros dos empréstimos e financiamentos também caem. Isso estimula o crédito e o consumo, contribuindo para o crescimento econômico. Além disso, a queda da taxa Selic pode levar a uma redução da inflação, pois os consumidores têm mais dinheiro para gastar e os empresários têm mais incentivos para investir.

O que acontece quando a taxa Selic sobe

Quando a taxa Selic sobe, os juros dos empréstimos e financiamentos também sobem. Isso dificulta o acesso ao crédito e desacelera a atividade econômica. Além disso, a alta da taxa Selic pode levar a uma elevação da inflação, pois os empresários têm mais custos para produzir e os consumidores têm menos dinheiro para gastar.

Impactos da Taxa Selic na economia e na vida das pessoas

Investimentos

A taxa Selic influencia diretamente a rentabilidade de investimentos de renda fixa. Quando a taxa sobe, os rendimentos desses investimentos também tendem a subir.

Empréstimos e financiamentos

A taxa Selic afeta os juros praticados no mercado de crédito. Quando a Selic está alta, os empréstimos tendem a ser mais caros, tornando o crédito mais restrito.

Inflação

A taxa Selic é uma ferramenta importante para o controle da inflação. Um aumento na Selic pode ajudar a conter a inflação, enquanto uma redução pode estimular o consumo e a atividade econômica.

Câmbio

A taxa Selic também influencia a taxa de câmbio, afetando as importações e exportações do país.

Você também pode se interessar: InfinitePay acompanha redução da Selic e corta taxas de juros no parcelado

A taxa Selic desempenha um papel fundamental na economia brasileira, impactando investimentos, empréstimos, inflação e muito mais. É importante para investidores, consumidores e empreendedores entenderem como ela funciona e como suas variações podem afetar suas finanças. Ficar atento às decisões do Banco Central e ao cenário econômico pode ajudar a tomar decisões financeiras mais informadas e estratégicas.

Finanças

Entendendo a Taxa Selic

Muito se fala sobre a taxa básica de juros em diferentes contextos. Com certeza, você já deve ter ouvido falar sobre ela no jornal ou então em algum programa específico voltado para economia. Mas calma! A Taxa Selic não é um bicho-de-sete-cabeças que só serve para quem quer entender “economês”. Na verdade, ela pode ser usada como um ótimo indicador para entendermos mais sobre as altas e as quedas na inflação. Primeiro, vamos começar explicando um pouquinho sobre o que ela é.

O que é a Taxa Selic?

O básico sobre ela é: a Selic é a taxa básica de juros da economia. Comandada pelo Banco Central, ela é usada como instrumento para controlar a inflação. E como o BC mensura essa taxa para avaliar se ela vai ser alta, baixa ou vai se manter na mesma? De forma bem resumida, todos fazemos operações bancárias quase todos os dias, certo? No final do dia, os bancos avaliam basicamente 3 coisas: faltou dinheiro no caixa? Sobrou? Ou ficou tudo dentro do esperado?

Quando falta dinheiro, os bancos costumam pegar empréstimos de 1 dia de outros bancos. Na hora de devolver, eles pagam essa dívida com juros e correção. Mas atenção: não é nada como pegar um empréstimo no cheque especial, por exemplo. Como eles vão pagar no dia seguinte (ou seja, o risco de inadimplência é muito baixo), os juros são baixíssimos. Por isso, ela é considerada a taxa básica de juros.

E quem decide as alterações nessa taxa?

O nome da taxa vem do lugar de onde fica registrado essas operações: é o Sistema Especial de Liquidação e Custódia. E o órgão responsável por checar essas informações e definir uma meta para a Selic é o Copom (Comitê da Política Monetária do Banco Central). Formado pelo presidente e diretores do Banco Central, esse comitê compra e vende títulos para o mercado, o que afeta as altas e as quedas da taxa.

Um exemplo: digamos que um título público custa 800 reais e promete pagar 1000 reais daqui a um ano. Isso significa que os juros desse título é de 200 reais. Se o Banco Central quer fazer a taxa de juros desse título subir, ele vai comprar uma série de outros como esse, alterando a lei da oferta-e-procura.

Com os títulos mais baratos, a taxa de juros sobe para, digamos, 300 reais por ano. Por outro lado, mais pessoas vão comprar porque está mais barato. É por trás dessa lógica que o Banco Central define as próximas Taxas Selic.

Como eu, empreendedor, posso ser afetado pelas mudanças da Selic?

Depois de entender o bê-a-bá da Selic, é possível usar esse parâmetro para se antecipar aos possíveis movimentos do mercado. De forma bem simples, se as taxas indicarem uma queda, as pessoas vão aumentar o seu poder de compra e isso é uma boa notícia, certo? Nem sempre! Em teoria, isso faria com que todo mundo consumisse mais, mas esse movimento só seria verdade se, de fato, os credores (bancos) baixassem as taxas de juros.

E no caso das credenciadoras? Vale a mesma lógica do banco: infelizmente, elas não costumam rever valores quando a Taxa Selic está baixa. Na verdade, é muito comum que elas sejam mantidas nas alturas. Em linhas gerais, mesmo quando a taxa de juros é de 3%, você continua pagando muito para conseguir crédito dessas instituições. Quer um exemplo? Ao conferirmos a média de taxas de juros para o cheque especial de contas empresariais, notamos que a regra é manter a taxa bem salgada para as empresas.

Mas vamos supor que o momento está super favorável para o Rogério, dono de um pequeno negócio de bicicletas. Antes da baixa na Taxa Selic, ele estava vendendo bicicletas a 500 reais. Agora, sabendo que o poder de compra das pessoas aumentou, ele subiu o preço de cada bicicleta para 650 reais (e não perdeu nenhum cliente por isso).

E quando o BC sobe a taxa?

Seguindo a lógica do exemplo anterior, as pessoas fariam menos empréstimos e vão tentar economizar mais. Então elas não comprariam uma bicicleta com a Taxa Selic alta, já que teriam menos dinheiro para gastar (e menos segurança para pagar dívidas).

Com o cenário favorável ou não, a InfinitePay facilita a vida do empreendedor: com as melhores taxas do mercado, é possível oferecer o parcelamento em até 12x aos seus clientes.


A
InfinitePay nasceu para oferecer a melhor, mais tecnológica e mais justa solução de pagamentos ao empreendedor. Conta com a gente!

fique ligado

Assine nossa newsletter com conteúdo exclusivo.

Ícones de moedas e símbolo do Pix sobre superfícies brancas, representando diferentes aspectos financeiros e de pagamento da InfinitePay