InfinitePay quer fim do plástico no sistema financeiro brasileiro

InfinitePay quer fim do plástico no sistema financeiro brasileiro

Cartões e maquininhas geraram mais de 15 mil toneladas de plástico na última década. Campanha da InfinitePay abraça movimento para eliminar plástico do mercado financeiro

21/08/2023

7

ionicons-v5-e
Copiar link
Copiado!ㅤ

Segundo o relatório "Dinheiro Sem Plástico", o volume de cartões de crédito, débito e maquininhas produzidos na última década representa mais de 15 mil toneladas de plástico, equivalente a 14 vezes o peso do Cristo Redentor. Se todos os cartões fossem enfileirados, eles seriam capazes de dar pouco mais de uma volta ao redor do planeta e é muito provável que demorem mais de 600 anos para se degradar no ambiente. 

O relatório de números tão fortes foi lançado pela agência O Mundo Que Queremos, com o apoio da InfinitePay. Segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), os custos sociais e ambientais dessa produção desenfreada chegam a US$ 1,3 trilhão. 

Como acabar com o plástico no sistema financeiro

A InfinitePay, pioneira no uso de blockchain para reduzir custos em sistemas de pagamentos e cobranças para o empreendedor brasileiro, está assumindo uma postura forte frente ao desafio de eliminar todos os plásticos de seus pagamentos através da campanha "O Fim do Plástico nos Pagamentos: um convite para repensarmos a utilização do plástico e começarmos a construir esse futuro sustentável agora".

A campanha é apenas uma iniciativa das que a empresa pratica. Por meio de novas tecnologias, como o cartão 100% digital e o "Tap to Pay", que transforma smartphones em maquininhas, a InfinitePay já está ajudando a eliminar o uso do plástico nos pagamentos no país. E está influenciado o mercado.

Pioneirismo

Pesquisa realizada em julho pelo Instituto Datafolha a pedido da Abecs, associação que representa o setor de meios eletrônicos de pagamento, revela que 54% dos consumidores brasileiros costumam realizar pagamentos por aproximação usando seu cartão, celular, relógio ou outro dispositivo. 

"Desde 2019, quando desenvolvemos a nossa primeira maquininha da InfinitePay, sabíamos que essa era uma tecnologia de transição e que eventualmente iria sumir. Algo similar aconteceu com as câmeras digitais mais simples ou os aparelhos de GPS: ambos substituídos pelos smartphones", explica Luis Silva, fundador e CEO da CloudWalk.

"Temos observado uma rápida adoção do InfiniteTap por clientes que antes usavam maquininha. Desde novembro de 2022, o número de comerciantes cresceu em média 123% ao mês", revela.

Veja mais sobre a campanha

Assista ao manifesto

fique ligado

Assine nossa newsletter com conteúdo exclusivo.